terça-feira, abril 1

Espera

Esperava por tudo o que não vinha. 
Deixava-se molhar pela chuva forte e deixava-se assustar pelos trovões fortes.
Era assim, que nem vida de cão; que nem cão à espera do dono que nunca vem. Do dono perdido algures também ele entre a espera e a angústia de nunca poder encontrar.

Sem comentários:

Enviar um comentário