terça-feira, junho 17

Horas intermitentes #11

Hoje não há palavras, assim como ontem e anteontem.
Há apenas suspiros prolongados e gemidos cortantes de desejo de qualquer coisa, de um qualquer pedaço de caos; do nosso caos.

Sem comentários:

Enviar um comentário